A suspensão da votação em curso e encerramento da sessão em que estava pautada a eleição da Mesa Diretora, biênio 2019/2020, na noite de sexta-feira (24), após 7 (sete) dos 9 (nove) vereadores terem votado, ganha contornos emblemáticos com posicionamento duro da bancada de oposição, formada pelos 3 (três) vereadores Nilton Moreira (PSDB), Raimundo Ferreira (MDB) e Adilton Maia (PSB), acompanhados dos edis ora dissidentes Daiane Severina (PTN) e Evandro Miranda (PTN).

No expediente da Ordem do Dia, o presidente vereador Arlivan Nunes Pimentel(PR), fez a leitura da ata da sessão ordinária de sexta-feira(24), onde foi suspensa a votação e encerrada a sessão. Após leitura da ata o vereador Raimundo Ferreira, discordou do conteúdo da ata afirmando que os fatos ali narrados eram inventados. O vereador Nilton Moreira, solicitou a impugnação da ata diante os fatos omitidos pelo presidente. Colocada para apreciação e votação dos edis a ata foi reprovada pelos vereadores Adilton Gomes, Nilton Moreira, Daiane Severina e Raimundo Ferreira.

Se não bastasse a derrota com a reprovação da ata, a atual Mesa Diretora, foi surpreendida  com o protocolo de requerimento assinado pelos 5 (cinco) vereadores,  Daiane Severina, Raimundo Ferreira, Evandro Miranda, Nilton Moreira e Adilton Maia, com a designação e convocação imediata para continuidade da eleição da Mesa Diretora, biênio 2019/2020.

Os vereadores afirmam que caso o presidente descumpra o Regimento Interno, não colocando o requerimento para apreciação e votação pelo plenário, promoveram pedido de Instauração    de Inquérito Criminal ante a Promotoria Pública Estadual, assim como o ajuizamento de Mandado de Segurança e Ação Popular contra o presidente. De acordo os vereadores requerentes, a suspensão da votação após 7 (sete) vereadores terem votado e restando apenas 2 (dois) para concluir a votação, foi abusiva e ilegal, atropelando Regimento Interno e a Lei Orgânica.