Quando lemos a história de Israel ficamos maravilhados com o cuidado e provisão de Deus para com o seu povo escolhido, desde a chamada de Abraão, passando pela libertação dos hebreus no Egito, e as inúmeras vitorias em batalhas onde o senhor com sua potente mão deu a vitória aos israelitas frente aos inimigos.

 Porém quando nos aprofundamos na narrativa vemos que com o passar do tempo houve um distanciamento do povo em relação a Deus e isso trouxe consequências para os filhos de Israel. Vemos isso nitidamente quando estudamos os livros dos profetas.  Muitos consideram todos eles como fosse um só livro, pois todos os 16 tratam basicamente do mesmo assunto: A decadência e a redenção de Israel e Judá.

Analisando os escritos dos profetas, podemos notar que entres os hebreus houve uma rebeldia contra o Deus que os tinha tirado da escravidão, em todas as profecias vemos o Senhor lembrando a seus filhos como os tinha feito povo seu, os livrado dos inimigos e os feito prosperar. Entretendo os israelitas continuavam a sacrificar à deuses estranhos, tomar mulheres de outras nações, se acharem autossuficientes e tomarem decisões sem consultar o Pai.

Meditando no capitulo 8 do livro do profeta Oséias, vemos as consequências que tais atitudes trariam ao povo. O texto começa com o Senhor falando o que levou a decadência da nação, “[...] quebraram a minha aliança e se rebelaram contra a minha lei.”. Israel rejeitou a lei do seu Deus, esqueceu-se de seus ensinamentos e preferiu seguir seu próprio caminho, é interessante notar que esse foi o princípio de toda a queda de uma nação que foi escolhida pelo grande “Eu Sou” e que a levou a ser castigada, o fato é que quando abandonamos os princípios divinos passamos a agir por nosso próprio entendimento, e não mais guiados pela vontade de Deus. Logo em seguida nos diz que aquele povo clamava e dizia “Nós te conhecemos ó nosso Deus”., Porém rejeitava a sua vontade. O versículo 4 segue “Eles instituíram reis sem o meu consentimento, escolheram líderes sem a minha aprovação”. Tal atitude pode trazer desordens em todas as áreas da nossa vida, pois quando passamos a não depender totalmente do agir do Pai, o provável é que tomemos caminhos errados, levados pelas emoções, ansiedade e vaidades, nos tornamos egoístas e passamos a acreditar que só pela nossa força humana conseguiremos vencer todas as batalhas.

Seguindo no capitulo, os versículos de 7 a 11, nos mostram quais as consequências para os israelitas por terem abandonado seu Deus. “Eles semeiam vento e colhem tempestade, talo sem espiga que nos produz farinha, ainda que produzisse estrangeiros o devorariam”. Isso demostra que longe dos propósitos do Senhor, o povo se tornou improdutivo, apesar de muitas vezes aparentar sucesso no fim era destruição, sem a direção daquele que nos formou e que nos conhece por completo, ficamos vulneráveis, presos a nossas próprias limitações e em situações de conflito, estando sozinhos, temos a tendência a optar pelo caminho errado.

Quando nós entregamos totalmente nossa existência ao Senhor, não temos dúvidas, não tentamos derrubar as adversidades com nossas forças, mas confiamos e conhecemos a quem servimos e temos a certeza que Ele cuida e guerreia por nós, em meio a tomada de decisões nos prostramos e buscamos a direção daquele que nos criou pois sabemos que nos conduzirá por um caminho que nos levara a vitória.  Depender de Deus é aceitar que sozinhos não conseguimos chegar a lugar algum, é nos livrar de todo orgulho, entender que nossos caminhos são falhos, mas os caminhos do Senhor são perfeitos.

Devemos a cada dia observar as escrituras, nos firmar nos princípios de nosso Deus, e entender que dependemos inteiramente da sua vontade, e deixarmos ele guiar nossos passos, não querer nada para nós mesmo, mas cada parte de nossa vida seja para Ele a para glória dEle.

Graça e Paz a todos.

Ânthoni Xavier Bahia Firme

Biomédico, CEO da Bahiamed,

Ministro do Evangelho